Ir para o topo

Compartilhe

Mulheres que fazem da luta contra a corrupção uma luta por direitos

Confira histórias de ativistas que atuam em defesa da democracia e da transparência no Brasil, em busca de um país mais justo

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

A luta contra a corrupção não acontece sem a presença de mulheres. Sejam ativistas, políticas, denunciantes ou educadoras, elas têm papel fundamental na construção de uma sociedade mais justa.

E são elas as que sofrem desproporcionalmente mais com a corrupção, que aprofunda a desigualdade de gênero, impede o empoderamento feminino e viola direitos. Não faltam exemplos de como isso acontece: extorsão sexual, ataques misóginos contra jornalistas e tentativas de enfraquecer a participação de mulheres na política são apenas alguns.

Do interior do Piauí ao litoral da Bahia, trazemos nesta série as histórias de seis mulheres que representam o que é a luta contra a corrupção: uma luta por direitos. Elas estão na linha de frente dessa batalha, trabalhando todos os dias em defesa da transparência, da integridade e da participação da sociedade nas decisões de interesse público.

Márcia Bresolin

Márcia Bresolin é mãe, técnica em administração de empresas e coordenadora executiva do Observatório Social do Brasil – São Leopoldo, no Rio Grande do Sul. A sua relação com a luta por direitos começou ainda muito cedo, quando sentiu na pele a desigualdade causada pela ausência do poder público onde morava e como a corrupção afetava diretamente sua própria vida e de sua família.

Em 2017 ela teve seu primeiro contato com o trabalho dos Observatórios Sociais do Brasil, uma rede de organizações que promovem a melhoria na gestão pública, e, desde então, vem se dedicando a promover o combate à corrupção e o controle social na região onde mora.

A presença da sociedade civil no debate público é fundamental para a democracia. Acompanhar o trabalho das instituições, os gastos do poder público e ter voz no processo legislativo, por exemplo, fortalecem o sistema democrático.

Como ativista anticorrupção, Márcia revela que enfrenta grandes desafios na sua jornada, como é o caso da falta de acesso à informação e colaboração por parte do poder público. Mas ela se orgulha da sua trajetória até aqui:

Tenho convicção que meu esforço faz diferença no todo. E a luta contra a corrupção faz parte dos meus princípios pessoais.

Para ela, combater a corrupção significa lutar contra o que alimenta a desigualdade, gera injustiça e impede o desenvolvimento. E Márcia acredita que, por meio da informação e da transparência, é possível defender os diretos e a cidadania de todos.

Márcia ainda reconhece o papel de destaque das mulheres na luta por direitos, tanto pelo espírito de coletividade, quanto pela sensibilidade. “Agimos sempre com a criatividade aliada ao desejo de solucionar os problemas complexos, mas, sobretudo, pela relação contínua de indignação frente às injustiças geradas pela corrupção”.

Ao lado de tantas outras mulheres no Brasil e no mundo, Márcia se dedica à construção de uma sociedade mais justa, onde a corrupção não continue roubando oportunidades e retirando direitos da população.

Outras histórias da série “Mulheres que fazem da luta contra a corrupção uma luta por direitos”:

Alyne Bautista

Francesca Amaral

Maria do Socorro

Maria Gorete

Rebeca Sousa

Posts relacionados