Ir para o topo

Compartilhe

Acordo de Escazú é boa oportunidade para o Brasil retomar sua política ambiental e inserção internacional

Conferência discute o acordo firmado entre nações latino-americanas e caribenhas que promove direitos ambientais

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Entre 20 e 22 de abril, países que ratificaram o Acordo de Escazú se reúnem, no Chile, para debater detalhes de implementação e monitoramento do tratado firmado por países da América Latina e do Caribe na direção de maior transparência, acesso à justiça e participação social em temas ambientais, e da garantia de proteção para defensores do meio ambiente

O Brasil é um dos 24 países que assinaram Escazú, mas a ratificação do tratado está parada nas mãos do governo do Presidente Jair Bolsonaro, que ainda não enviou o texto para aprovação do Congresso Nacional. Com isso, o país perde a oportunidade de participar, com direito à voto, do evento que é a primeira Conferência das Partes (COP) do acordo, no qual serão decididas diversas regras sobre o seu funcionamento.

A Transparência Internacional – Brasil e outras organizações da sociedade civil têm denunciado repetidos ataques, nos últimos anos, à capacidade do Estado brasileiro prevenir, mapear e punir crimes ambientais, e à participação da sociedade civil na gestão ambiental, o que coloca o Brasil na contramão do acordo e de países da região.   

Entendemos que a reconstrução das políticas ambientais e a recuperação da inserção brasileira no cenário ambiental internacional passam pela decisão do governo brasileiro em encaminhar a ratificação e a implementação de Escazú. 

Confira nossa análise das oportunidades e desafios enfrentados pelo Brasil em relação ao programa do acordo no Policy Paper Acordo de Escazú: uma oportunidade de avanços na democracia ambiental e no combate à corrupção no Brasil 

Posts relacionados