Ir para o topo

Compartilhe

Nota pública sobre reportagens da Folha de S. Paulo e The Intercept Brasil

Welcome to WordPress. This is your first post. Edit or delete it, then start writing!

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Sobre as reportagens publicadas em 7 de julho “Lava Jato e Moro atuaram para expor dados sigilosos sobre Venezuela, mostram mensagens”, pela Folha de S. Paulo, e “Lava Jato tramou vazamento de delação para interferir na política da Venezuela após sugestão de Sérgio Moro”, pelo The Intercept Brasil, a Transparência Internacional – Brasil esclarece que defende e continuará a defender que as instituições judiciais brasileiras explorem todas as possibilidades legais de atuar extraterritorialmente contra autoridades venezuelanas ou de quaisquer outros países que tenham cometido crimes sob jurisdição brasileira.

A TI Brasil também esclarece que não ofereceu apoio financeiro ou operacional para viagens de procuradores exilados venezuelanos para colaborarem com investigações do Ministério Público Federal (MPF). Reafirma, no entanto, que é parte de sua missão oferecer apoio e proteção a qualquer autoridade pública que se encontre perseguida por cumprir seu dever funcional de combater a corrupção ou atuar como whistleblower (vítima e/ou testemunha de corrupção), como no caso dos procuradores no exílio.

Com respeito ao sigilo por tempo indeterminado das informações sobre suborno pago pela Odebrecht a autoridades venezuelanas, estabelecido pelo acordo de leniência assinado entre a empresa e o MPF, a TI questiona sua legalidade. No entanto, a organização rechaça os vazamentos ilegais como resposta a esse problema e defende a reversão desta situação pelas vias legalmente instituídas. A prática de vazamentos não apenas enfraquece as instituições de um país, mas coloca em risco a própria luta contra a corrupção e a segurança daqueles que se dedicam a esta causa.

Em 9 de dezembro de 2014, a Transparência Internacional assinou Memorando de Entendimento com o Ministério Público Federal para estabelecer cooperação no combate à corrupção. Desde então, as instituições colaboram na produção de conhecimento anticorrupção, apoio a whistleblowers, capacitações técnicas e campanhas de conscientização. A cooperação segue o princípio de “engajamento crítico (critical engagement)” que norteia as parcerias da TI nos mais de 110 países em que está presente. O conceito reflete a forma de atuar de nosso movimento global, em cooperação com instituições públicas e privadas, buscando unir forças em prol da luta contra a corrupção, e sem abrir mão de nossa independência crítica.

Ratificamos a importância de que as investigações e processos anticorrupção sejam conduzidos com absoluto respeito ao estado democrático de direito, ao devido processo legal e ao cumprimento irrestrito da constituição e das leis.

Por estas razões, esperamos esclarecimentos das autoridades responsáveis sobre as publicações recentes contendo supostas irregularidades nos processos e violações aos princípios de paridade de armas e equidistância dos julgadores – o que deve ocorrer com objetividade e urgência para coibir a manipulação da informação e extrapolações que visem prejudicar os avanços sem precedentes do Brasil no combate à corrupção.

Por fim, a TI reafirma a defesa da liberdade de imprensa como pilar dos sistemas democráticos e da própria luta contra a corrupção.

Posts relacionados