Ir para o topo

Compartilhe

Mulheres que fazem da luta contra a corrupção uma luta por direitos

Confira histórias de ativistas que atuam em defesa da democracia e da transparência no Brasil, em busca de um país mais justo.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

A luta contra a corrupção não acontece sem a presença de mulheres. Sejam ativistas, políticas, denunciantes ou educadoras, elas têm papel fundamental na construção de uma sociedade mais justa. 

E são elas as que sofrem desproporcionalmente mais com a corrupção, que aprofunda a desigualdade de gênero, impede o empoderamento feminino e viola direitos. Não faltam exemplos de como isso acontece: extorsão sexualataques misóginos contra jornalistas e tentativas de enfraquecer a participação de mulheres na política são apenas alguns.

Do interior do Piauí ao litoral da Bahia, trazemos nesta série as histórias de seis mulheres que representam o que é a luta contra a corrupção: uma luta por direitos. Elas estão na linha de frente dessa batalha, trabalhando todos os dias em defesa da transparência, da integridade e da participação da sociedade nas decisões de interesse público. 

Francesca Amaral

Francesca Amaral é membro do Movimento Popular Anticorrupção Por Amor a Londrina há dez anos, mas desde 2005 é ativista de movimentos populares e atua no controle social. A servidora pública liderou a luta de dezenas de trabalhadores da área da saúde que foram demitidos, em 2009, por denunciarem abusos em contratos no município. Com o desdobramento das denúncias, foram descobertos mais de R$ 300 milhões em desvios.   

Entretanto, essa luta foi apenas o começo para Francesa. A ativista também comemora outras conquistas na sua jornada como combatente na luta anticorrupção. Seu trabalho colaborou para a aprovação de leis municipais que criaram novas formas e espaços cívicos de fiscalização, prevenção e combate à corrupção.

Um dos destaques é a criação do primeiro Conselho de Transparência instituído por lei no Brasil, sendo uma iniciativa altamente recomendada a todos os municípios. “Precisamos fiscalizar e tentar efetivar as muitas leis que já existem. Fazer tudo de forma transparente e com uma linguagem clara para que todos entendam e possam participar”, defende Francesca. 

Hoje, aos 45 anos, apesar das várias conquistas em sua cidade e que são exemplos para todo o país, a ativista sintetiza a sua luta contra a corrupção em uma frase: “zelar pelo dinheiro suado do trabalhador e da comunidade quando paga seus impostos e espera um serviço público de qualidade”.  

Mesmo com os desafios enfrentados pelos denunciantes e pela população todos os dias, Francesca acredita que é sempre importante olhar com esperança para o futuro. “Quando estiver cansada, pensando em desistir, não esqueça que existe o amanhã e podemos continuar fazendo o nosso melhor. Contornando os obstáculos com serenidade, sabedoria e coragem”, conclui.  

Outras histórias da série “Mulheres que fazem da luta contra a corrupção uma luta por direitos”:

Alyne Bautista

Márcia Bresolin

Maria Gorete (conteúdo ainda não postado)

Rebeca Sousa

Socorro Mendonça

Posts relacionados