Ir para o topo

Compartilhe

Mulheres que fazem da luta contra a corrupção uma luta por direitos

Confira histórias de ativistas que atuam em defesa da democracia e da transparência no Brasil, em busca de um país mais justo.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

A luta contra a corrupção não acontece sem a presença de mulheres. Sejam ativistas, políticas, denunciantes ou educadoras, elas têm papel fundamental na construção de uma sociedade mais justa. 

E são elas as que sofrem desproporcionalmente mais com a corrupção, que aprofunda a desigualdade de gênero, impede o empoderamento feminino e viola direitos. Não faltam exemplos de como isso acontece: extorsão sexualataques misóginos contra jornalistas e tentativas de enfraquecer a participação de mulheres na política são apenas alguns.

Do interior do Piauí ao litoral da Bahia, trouxemos nesta série as histórias de seis mulheres que representam o que é a luta contra a corrupção: uma luta por direitos. Elas estão na linha de frente dessa batalha, trabalhando todos os dias em defesa da transparência, da integridade e da participação da sociedade nas decisões de interesse público. 

Maria Gorete Oliveira

Maria Gorete Oliveira nasceu em Chapadinha, Maranhão, mas tem o coração piauiense. Hoje, aos 62 anos, ela se orgulha de ser uma das voluntárias que mais esteve presente na Marcha Contra a Corrupção e Pela Vida, do movimento Força Tarefa Popular. A iniciativa anual, que já está na sua 17ª edição, tem como objetivo estimular a fiscalização de contas públicas e o fortalecimento da participação cidadã nos municípios. 

Segurando o mastro com a bandeira do Brasil, Gorete segue a romaria da Marcha em passos firmes, mas com a mente leve, às vezes cantando, às vezes em silêncio. Mas antes de iniciar a caminhada, Gorete organiza a alimentação dos marchantes e também se incumbe de fazer a oração pedindo a proteção de cada voluntário antes da saída para a estrada. 

Já tivemos muitos desafios durante a Marcha. Já passamos fome, sede, mas em vez de desistir, a gente se fortalece, pois sabemos da importância dessa empreitada”, enfatiza. 

Nos atos cívicos realizados nos municípios por onde a Marcha passa, em praças repletas de pessoas, Gorete fala com simplicidade e voz potente sobre a importância da participação da sociedade nas decisões tomadas nos municípios. Nestes momentos, não há juiz, doutor, jornalista, advogado ou acadêmico que passe mais efetivamente a mensagem para o povo do que Gorete. 

Tenho orgulho de ter ensinado muitas pessoas a serem honestas, pois isso é fundamental para o ser humano. Falo sobre não roubar, não desviar dinheiro, não mentir”, conta Gorete, que desde que foi convidada a participar da Marcha vem fazendo esse trabalho de conscientização. 

A dedicação de Gorete cativa cada marchante que entra em contato durante a caminhada. A firmeza nos passos e na certeza de quem sabe o que fala se misturam com a doçura do abraço materno que acolhe os voluntários e das mãos que massageiam pés cansados da caminhada. 

Eu não abro mão e faria tudo de novo quantas vezes forem necessárias; tudo isso para que haja uma mudança no nosso país. Para que os governantes possam olhar para o povo brasileiro com outros olhos”, conclui a ativista. 

Outras histórias da série “Mulheres que fazem da luta contra a corrupção uma luta por direitos”:

Alyne Bautista

Francesca Amaral

Márcia Bresolin

Rebeca Sousa

Socorro Mendonça

Posts relacionados