Ir para o topo

Compartilhe

Pandora Papers e a urgência por transparência no fluxo internacional de dinheiro

Extinguir o anonimato das empresas offshores mostra-se cada vez mais necessário e promoveria avanços importantes na luta global anticorrupção.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

A investigação jornalística Pandora Papers, que apontou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, fazem parte da lista de líderes mundiais, funcionários de alto escalão e super ricos que possuem, às escondidas, milionárias empresas offshores, também colocou o termo “paraíso fiscal” novamente nos noticiários — indicando as regiões onde essas empresas são abertas, atraídas pela baixa tributação e por mecanismos de blindagem e sigilo sobre os dados financeiros. 

O termo, apesar de popularizado, carece de maior precisão: o mais correto seria chamar essas regiões de “jurisdições não colaborativas”, já que em diversos casos elas oferecem vantagens que vão muito além da dimensão tributária e servem também para encobrir dinheiro de origem criminosa e garantir o anonimato dos beneficiários finais dessas empresas (que só existem no papel), não colaborando com investigações internacionais.

Voltando à Pandora Papers, que teve acesso ao vazamento de mais de 11,9 milhões de documentos oficiais de 14 escritórios de advocacia que trabalham como operadores dessas offshores, ela entrou para a história como a maior colaboração jornalística, reunindo mais de 600 profissionais, em 117 países e territórios, liderada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês). Além do ICIJ, são mais de 150 veículos trabalhando juntos, incluindo os brasileiros Poder 360revista piauíMetrópoles e Agência Pública

Além da exposição dos donos dessas empresas, a investigação trouxe ao debate público o quanto as legislações internacionais e locais ainda precisam avançar quando o assunto é transparência no fluxo internacional de dinheiro. As jurisdições não-colaborativas (os chamados paraísos fiscais) e as offshores (que, na prática, só existem no papel) atendem a duas únicas funcionalidades: isentar milionários de suas obrigações fiscais e facilitar que criminosos permaneçam no anonimato e consigam esconder o fruto dos seus crimes. 

Por isso, a Transparência Internacional luta há décadas contra as offshores, por entender que elas, além de agravar as desigualdades, seguem na contramão das melhores recomendações sobre transparência financeira e combate a crimes como lavagem de dinheiro, corrupção e tráfico internacional. A regra é clara: onde falta transparência, sobra oportunidades para que práticas ilícitas prosperem. 

Outro ponto importante que a Pandora Papers traz à tona é que grandes lideranças da política econômica internacional, ao invés de se empenharem em reformas que promovam a transparência nessas transações financeiras, e com isso tornar mais eficiente o combate à criminalidade, optam justamente por deixar suas fortunas escondidas e longe de qualquer escrutínio da população e das autoridades competentes. Segundo as informações divulgadas, a empresa de Paulo Guedes nas Ilhas Virgens Britânicas chegou a armazenar até agosto de 2015 a cifra milionária de US$ 9,5 milhões, o equivalente a R$ 51 milhões

Oportunidade para mudanças

O vazamento da Pandora Papers, colocando luz sobre o problema do anonimato dessas empresas, pode colaborar para que o debate sobre um novo padrão global de transparência corporativa consiga avançar alcançando resultados concretos. É necessário que as informações sobre os proprietários dessas contas saiam da sombra e passe ao escrutínio das autoridades competentes, assim como da população.  

A Transparência Internacional vem solicitando a órgãos internacionais, como a Força-Tarefa de Ação Financeira, para que trabalhem por mudanças regulatórias nesse sentido. Importante também, além de retirar os proprietários do anonimato, é colocar luz sobre os profissionais “facilitadores” do setor privado que servem como intermediários desses tipos de operações, como é o caso dos escritórios de advocacia especialistas no ramo.  

Posts relacionados